Vídeo expõe momento em que homem que ficou preso por 16 anos injustamente perde a vida nas mãos de um policial, dias após ganhar a liberdade

Este caso ganhou uma enorme repercussão após se tornar destaque nos principais portais de notícias do mundo e vem gerando uma onda de revolta, além de uma grande comoção.

Um oficial do Condado de Camden, na Geórgia, EUA, tirou a vida de um homem que havia sido declarado inocente após passar quase 16 anos na prisão.

Continua depois da publicidade

Leonard Allan Cure, de 53 anos, foi alvejado durante uma abordagem de trânsito na manhã de segunda-feira, quando retornava de uma visita à casa de sua mãe.

Com base nas primeiras averiguações, Cure saiu do veículo e acatou as orientações dadas pelo oficial que o interpelou.

Contudo, ainda de acordo com as autoridades locais, a vítima cessou sua cooperação ao ser informado de que seria detido, embora os investigadores não tenham divulgado o motivo.

Ele foi conduzido ao hospital, mas infelizmente não sobreviveu. O oficial de trânsito teria empregado um dispositivo de eletrochoque contra o homem, que reagiu agredindo o policial.

Segundo apurou o Georgia Bureau of Investigation (GBI), a autoridade utilizou um “Taser” (arma de choque), por mais de uma vez, e posteriormente atingiu Cure com um tipo de cassetete antes de sacar a arma de fogo e efetuar o disparo.

Em 2004, Leonard Cure recebeu uma sentença de prisão perpétua após ser julgado por assalto à mão armada e agressão agravada com o uso de arma de fogo em Dania Beach, Flórida, EUA.

Entretanto, uma equipe de revisão de condenações juntamente com um grupo de advogados locais identificou problemas fundamentais no caso desde o princípio.

Um álibi que colocava o acusado a aproximadamente 5 quilômetros de distância do local do crime no momento do assalto foi ignorado.

Video (clique aqui)

“Só posso imaginar como é saber que seu filho é inocente e vê-lo ser condenado à prisão perpétua, ser inocentado e depois saber que, uma vez libertado, foi morto a tiros”, disse Seth Miller.

Miller é executivo diretor da ONG (Organização sem fins lucrativos) ‘Innocence Project of Florida’, que atua auxiliando prisioneiros julgados de maneira errônea a comprovarem sua inocência.

Leonard Cure tinha planos de fazer uma faculdade e de trabalhar na produção de uma estação de rádio, revelou um procurador de Justiça do estado da Flórida.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

 Importante:   Este site faz uso de cookies que podem conter informações sobre os visitantes. ACEITAR Leia mais