Como a carta de um detento salvou um homem inocente da prisão após anos de erro da Justiça

A consciência de um detento, que cumpre pena no Centro de Detenção Provisória de São José do Rio Preto (SP), foi o que permitiu que um homem inocente fosse solto e tivesse sua condenação anulada.

Vinicius Villas Boas, 37, foi condenado a 9 anos de prisão (pena que foi reduzida para 7 anos), em um processo repleto de erros e equívocos da Justiça, e da polícia responsável pela investigação.

O homem foi acusado de participar de um assalto a residência, cometido em 2016, mas não participou do crime. Na verdade, Vinícius tinha um álibi forte, já que estava trabalhando no momento do crime.

Mesmo com todos os indícios de que Vinícius era inocente, ele ainda foi condenado. O advogado, Nugri Campos, chegou a esgotar todos os recursos e argumentos para tentar provar a inocência do cliente.

Vinícius trabalhava no Centro de Detenção, servindo comida e atuando na limpeza, quando conheceu o detento responsável por sua liberdade. Ele conta que o homem lhe procurou e perguntou sobre sua história. Confira a carta a seguir.

Segundo Vinícius, “ele [detento] disse que sabia da minha inocência e que havia pedido para os verdadeiros autores se entregarem, porque na lei do crime eles não admitem que um pai de família levasse a culpa, mas como isso não aconteceu, ele iria me ajudar“.

O detento, inicialmente, tentou fazer com que os amigos assumissem o crime. Como não conseguiu, ele escreveu uma carta a próprio punho apontando os verdadeiros responsáveis pelo crime.

A Justiça aceitou a carta e ouviu o detento formalmente, reconhecendo finalmente a inocência de Vinícius. Depois de ter a condenação anulada, ele finalmente foi solto.

Hoje, Vinícius voltou a morar na cidade de São Paulo com a esposa, que estava grávida na época da prisão. O casal havia acabado de se mudar para o interior, mas Vinícius ficou com medo de continuar morando na cidade após ser solto.

 Importante:   Este site faz uso de cookies que podem conter informações sobre os visitantes. ACEITAR Leia mais