Testemunhas alegam que atentado pode ter sido cometido por mais alunos

A Polícia Civil investiga o atentado em uma escola estadual da zona leste de São Paulo. Até o momento, um adolescente de 16 anos foi detido como autor dos disparos.

Uma adolescente, de 17 anos, foi morta e dois adolescentes foram socorridos após serem baleados. Um quarto adolescente também precisou ser socorrido após se machucar tentando fugir.

O caso tem gerado forte comoção nas redes sociais. A identidade do adolescente detido não foi revelada, mas algumas informações tem sido apuradas pela imprensa com a polícia civil, mas também com testemunhas.

Segundo as informações, o autor dos disparos era vítima de bullying e agressões por ser homossexual. Seis meses antes do ataque, o garoto chegou a registrar um boletim de ocorrência por lesão corporal.

“Ele era muito zoado aqui na escola. Sofria bullying por ser gay. Duas semanas atrás, ele avisou que iria fazer esse atentado. Ninguém acreditou”, disse uma aluna ao Metrópoles.

Ainda segundo outros alunos, o garoto não agiu sozinho. Outros três alunos teriam sido envolvidos, seriam eles: uma aluna lésbica, que também era vítima de bullying, e dois alunos tímidos que também seriam acuados na escola.

A informação não foi comentada pela polícia até o momento, então não foi confirmada e nem descartada. Até o momento, apenas um adolescente foi detido por envolvimento no ataque e um estaria foragido.

Vale ressaltar que a informação de que um aluno estaria foragido foi trazida inicialmente pela polícia militar. Novas atualizações ainda são aguardadas sobre o caso.

 Importante:   Este site faz uso de cookies que podem conter informações sobre os visitantes. ACEITAR Leia mais