Petrobras anuncia novo aumento do preço para o Gás de cozinha, diesel e gasolina .

Continua depois da publicidade

Na segunda-feira, 5, a Petrobras anunciou mais um aumento de preços da gasolina, diesel e gás de cozinha (GLP) Os valores resultantes do reajuste entrarão em vigor na terça-feira, 6, para manter os parâmetros internacionais. O anúncio foi feito em resposta a uma pergunta sobre a frequência das variações de preços dos produtos em oferta. A Petrobras então relatou um aumento de 6,3% na gasolina; 3,7% para o diesel e 5,9% para o gás de cozinha.

Imagem: (Reprodução / Google)

O aumento de preços dos três produtos citados está atrelado à política de negócios dos postos e das distribuidoras para atingir diretamente o consumidor brasileiro. De referir que se trata da primeira mudança na atual gestão de Joaquim Silva e Luna. que assumiu a Petrobras no dia 19 de abril.

De todos os produtos que sofreram com o reajuste, o diesel é o único que sofreu alteração há muito tempo, para ser mais preciso, em maio deste ano, quando foi reduzido em 2,1%.

Enquanto isso, as últimas atualizações dos preços da gasolina e do gás de cozinha ocorreram em 11 de junho, e os preços da gasolina caíram ligeiramente, enquanto os brasileiros se assustaram com a alta no gás de cozinha.

Basicamente, os percentuais atuais nos preços dos três produtos significam um aumento médio de R$ 0,16 para a gasolina. Embora possa parecer um valor mínimo aos olhos do leigo, esse aumento gera o valor aproximado de R $ 2,69 por litro nas refinarias da Petrobras.

Por outro lado, o reajuste do diesel atingiu a margem de R$ 0,10. Isso quer dizer que o preço do litro passará a valer R$ 2,81 nas refinarias da estatal.

Por fim, o gás de cozinha (GLP), último produto que também teve um aumento médio na margem de R$ 0,20 por quilo, fará com que o produto tenha um custo aproximado de R$ 3,60 por kg nas distribuidoras.
Este já é o 15º aumento seguido no preço do gás de cozinha nas refinarias da Petrobras depois de uma leve queda no início da pandemia da Covid-19.

Na oportunidade, a Petrobras declarou que faz o possível para evitar o repasse imediato e abusivo para os consumidores brasileiros. No entanto, a estatal precisa seguir as atualizações que acontecem no mercado internacional, sobretudo no que compete à taxa de câmbio, e assim busca equilibrar os percentuais aplicados sobre o reajuste.

A Petrobras ainda ressaltou que tal atitude “é fundamental para garantir que o mercado brasileiro siga suprido sem riscos de desabastecimento pelos diferentes setores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras”.

Em contrapartida, a Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), alegou que um novo aumento no preço da gasolina nas refinarias gera um acréscimo de 46%, apurados desde o início da atual gestão governamental.

Além do que, antes de estabelecer um valor final que será cobrado dos consumidores, há a incidência de impostos federais, margem de lucro das distribuidoras e revendedoras, custos relacionados à mistura obrigatória de biocombustível, entre outros fatores.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

 Importante:   Este site faz uso de cookies que podem conter informações sobre os visitantes. ACEITAR Leia mais